O conceito de Agilidade nas Agências de Publicidade

Por: Cris Molnar

Comecei a trabalhar com Métodos Ágeis em 2011 e, depois disso, por mais de uma vez tentei emplacar esse modelo de gestão que eu já havia testado e aprovado para desenvolvimento de software, na minha rotina do Mercado Publicitário, no entanto, pouco se falava sobre o assunto e toda tentativa sempre esbarrava em dois principais aspectos: formato de venda e relação/cultura do cliente x agência.

Para que o cliente comprasse a ideia do novo modelo, seria necessário enxergar valor agregado, mas a cultura não permitia essa tomada de decisão.

Acontece que agora temos um cenário de expansão do Ágil em grandes empresas, extrapolando o limite das áreas de tecnologia, conforme citado nesse artigo.

Essas empresas representam grande parte dos clientes das grandes Agências de Publicidade, que mal começaram a pensar no assunto.

Agilidade é mudança de mindset

Algumas agências estão integrando os profissionais de diversas áreas em “hubs”, “squads” ou qualquer outro nome que se dê à um grupo de pessoas capacitadas para diferentes disciplinas agrupadas de forma a facilitar a comunicação. Vemos post-its à mostra numa tentativa de tornar a gestão visual das iniciativas mais fácil.

Mas o Ágil em sua essência, é muito mais que processo. É entregar para o cliente final, a experiência mais WOW possível, seja para um produto, serviço ou campanha usando um conjunto de técnicas e processos ágeis que são somente ferramentas para gerar o mais importante: agilidade na resposta da necessidade do mercado.

Saímos então do modelo antigo onde depois de um brief ~isso tem que acabar~ , várias e várias etapas aconteciam para gerar um entregável.

Nesse novo modelo um conjunto de pessoas capacitadas se une para pensar na melhor experiência para o cliente final, que é envolvido e ouvido sempre e, à partir daí, toda a equipe cria, desenvolve, publica, mensura e principalmente responde ao resultado obtido com um novo incremento, trabalhando em ciclos curtos e iterativos com períodos pré determinados.

O resultado é mensurado constantemente e o futuro da campanha, produto e serviço é adaptado de forma ágil, sempre com foco a melhorar a experiência esperada pelo cliente final e consequentemente, o resultado.

Essas técnicas seguem os três principais pilares da Agilidade: Transparência, Inspeção e Adaptação.

E os times, estão preparados?

Existe um desafio na formação de times ágeis para as agências: encontrar ou capacitar os profissionais que sejam experts em suas respectivas áreas para esse novo pensamento, no entanto, a boa notícia é que grandes escolas do mercado já estão se preparando para isso:

– Na EBAC o método Agil é fortemente abordado no Curso de Direção de Criação Digital, do qual tenho o prazer de integrar o time de professores.

– É só olhar o site da ESPM e fazer uma busca por “Agile” para ver que, pela primeira vez o assunto surge forte no mercado da propaganda e marketing.

Além de tantas outras grandes instituições que já estão falando de Design Thinking, Sprint Design e Agile, entre outras técnicas que começam a fazer parte da rotina publicitária.

Para todos os meus amigos do mercado, o meu ponto é: se tem um momento para descobrir uma nova forma de fazer as coisas incríveis que sempre fizemos e assim torná-las mais eficientes, esse momento é agora.

Esse é o maior movimento de mudança que eu já presenciei nesses meus quase 15 anos de mercado.

Great times are coming!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s