Shhh… Silêncio! Gente Aprendendo!

Quando fui apresentado ao Learning 3.0, há alguns anos, muita coisa aconteceu! Eu me diverti, aprendi muito, conheci pessoas sensacionais e pude ver, na prática, o que eu realmente acredito. Escrevi alguns textos em português para o blog do Learning 3.0, que estão hidden na versão atual do site, então, decidi republicá-los aqui no Agile Momentum, afinal, falamos aqui o tempo todo sobre aprendizagem! 

Enjoy!

Há algum tempo fui convidado pelo amigo Alexandre Magno para facilitar algumas sessões do Learning Canvas. Assim que aceitei o convite, minha primeira e maior preocupação foi: como fazer com que as pessoas ouçam umas às outras e troquem efetivamente suas experiências, gerando o aprendizado?

Comumente, reuniões nada mais são do que um encontro de pessoas em que cada uma delas quer se sobressair às outras, ter a melhor ideia, dar a mais importante contribuição. Em uma sessão de Learning 3.0, em que o objetivo principal é o aprendizado emergente, ouvir é certas vezes até mais importante do que falar. É preciso que os Sharers* ouçam com atenção o problema proposto, para que o entendam adequadamente. É preciso que o Asker* ouça atentamente as experiências e sugestões, para que ele tenha insights que serão úteis na elaboração de seu Plano de Ação. Seja qual for o seu papel na dinâmica, as dicas a seguir o ajudarão a ser um bom ouvinte e a tirar o máximo de proveito da sessão.

Quando o Asker* conta suas dores, seus sintomas, é importante que os Sharers* não julguem seus sentimentos. A tendência natural do ser humano em momentos como esse é minimizar o problema e, pior, dizer que temos uma dor maior do que a do outro. É a forma que encontramos para consolar quem tem um problema, mas que é de pouca utilidade para tentar resolve-lo.

Para serem bons ouvintes, os Sharers* precisam se colocar no lugar do Asker*. Nem sempre é fácil entender que a situação pode estar sendo difícil para quem está falando. Sharers* devem escutar colocando-se no lugar do Asker*, tentando entender seu ponto de vista, e não tentando mostrar que são mais espertos que o Asker*!

Ser educado é chique e, quando alguém fala, seja quem for ou qual for o contexto, distrair-se com celulares, tablets ou com a loira que passa há quilômetros de distância é muito desagradável. Para ouvir de verdade, Askers*, Sharers* e Facilitadores* devem deixar de lado as distrações eletrônicas da moda: espere o coffee break para tirar sua selfie, curtir as fotos do seu amigo ou entregar seu cartão de visitas para a loira!

Outra característica muito importante do bom ouvinte é parar de falar! É engraçado, mas é muito difícil tentar resistir a pensamentos e ações impulsivas.

Temos urgência em demonstrar empatia e queremos logo falar que já passamos pela mesma situação e dar uma sugestão brilhante. Mas muitas vezes isso tem efeito contrário!

Veja: você tem uma pessoa abrindo seu coração, contando um problema e todo um conjunto de situações e objetivos que lhe são únicos e importantes. Não passe por cima dos sentimentos do seu Asker*! Ouça! Demonstre interesse através de ações não verbais como manter uma postura relaxada, fazer sinais de afirmação com a cabeça e usando uma expressão facial que demonstre que está realmente se colocando no lugar do Asker.

Isto tudo não significa que você não pode perguntar. No momento em que os Sharers* expõem suas ideias e experiências, o Asker* também ouve atentamente, sem interromper, afinal, ele também não pode julgar e deve respeitar as sugestões de quem está ali para ajudar. Caso não entenda algo, existem técnicas como a de “resumir, reafirmar ou repetir” que demonstram que você está tentando entender e, especialmente, valorizando a ideia, para tirar o que ela tem de melhor para sua realidade. Faça perguntas significativas e tente não ser investigativo demais, pois vai parecer que você está tentando derrubar os argumentos do outro.

E, quando for falar, seja objetivo! Não tente roubar as atenções, não demore demais para desenvolver seu raciocínio. Todos têm sua hora de falar e o tempo da sessão é limitado. Não tente se destacar mais que os outros, não seja o dono da verdade, pois esta não é a ideia da ferramenta.

A última das dicas é: simplesmente ouça! Esteja aberto!

Se você estiver pensando em como rebater um argumento enquanto o outro fala, você pode não estar tão aberto à experiência quanto você pensa.

Pensando nisso tudo, nas minhas sessões, uso como ponto de apoio o que chamei de “Learningmentos”, para que as pessoas consigam se ouvir e, principalmente, para que possam tirar o máximo de proveito da sessão.

Os “Learningmentos” para o bom ouvinte

1. Não julgarás experiências e ideias.
2. Terás empatia pelo teu Asker*.
3. Deixarás de lado as distrações (eletrônicas ou não).
4. Demonstrarás interesse pelo que está sendo falado.
5. Perguntarás, mas não serás investigativo nem fugirás do tema.
6. Serás claro, objetivo e ficarás de olho no tempo.
7. Estarás aberto à experiência… E verás o aprendizado emergir!

E se, depois de seguir todas estas dicas, o Asker* não acatar suas ideias no Plano de Ação, não fique triste! Isso não significa que o que você pensa ou o que você fez não tenha valor! Continue participando de sessões e compartilhando o que você tem de melhor!

* Asker, Sharers e Facilitadores são papéis do Learning Canvas. Clique aqui para ver o post original. 

Anúncios

Marcelo L. Barros

Olá! Sou um cara criativo, curioso e detalhista, que, cada dia, mais se vê interessado em desvendar os mistérios desse "bicho gente"! Comecei minha carreira profissional em 1996, sou formado em Processamento de Dados pela FATEC de Santos. Naquela época tudo o que eu queria ter na minha frente era um computador e uma desafiadora regra de negócio, que se transformaria no melhor programa possível. Mas as coisas mudam! Concluí que quem faz software com qualidade são as pessoas e não as máquinas. Hoje, minha MISSÃO é ajudar pessoas e times a alcançarem seus objetivos, pois acredito que o sucesso pessoal e profissional está ligado a três pilares: FELICIDADE, MOTIVAÇÃO e SENTIDO. Como faço isso? 💡 MOTIVANDO pessoas, fazendo-as enxergar o 💡 SENTIDO das suas ações, que traz 💡 FELICIDADE por fazerem a diferença em suas vidas, suas empresas. Sou formado em Coaching pelo ICC e escrevo artigos sobre Métodos Ágeis, Comportamento, Inovação e Coaching. Vejo no lúdico a forma mais profunda de aprendizado. Procuro sempre conduzir reuniões de forma criativa, que tragam algum tipo de aprendizado aos participantes, seja por meio de dinâmicas de grupo ou jogos em equipe. Neste quesito, desenvolvi um jogo, a "Feijoada Ágil", para ensinar conceitos sobre trabalho em equipe. Se você, como eu, também acredita que eu posso te ajudar, deixe-me saber! Vamos tomar um café e, quem sabe, juntos podemos MUDAR O MUNDO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s