Scrum: na mira do sucesso

ID-100223944
Image courtesy of FreeDigitalPhotos.net

Back to basis!

A categoria “Caderno Ágil” foi criada para que possamos discutir alguns conceitos ou princípios básicos das metodologias ágeis. Precisou de um help conceitual? Procure nos posts desta categoria! Você também pode sugerir temas para abordarmos! Participe! Espero que aprecie a leitura…

O Scrum é um framework de desenvolvimento de softwares iterativo e incremental, que define uma estratégia de desenvolvimento flexível, onde um time trabalha como uma unidade em direção a um objetivo comum.

Um processo é uma ação que expressa continuidade na realização de determinada atividade, um ato prolongado e contínuo, um seguimento. Ou seja, metodologias classificadas como um “modelo de processo” são aquelas que são (geralmente) extremamente prescritivas, definindo ações e documentações que devem ser seguidas à risca.

Diferentemente de outras metodologias de mercado, o Scrum é um framework e não um modelo. Um framework é “um conjunto de conceitos usado para resolver um problema de um domínio específico”. Isso significa dizer que o Scrum por si só não é executável: ele apenas reune um conjunto de práticas recomendadas para o desenvolvimento ágil de softwares.

Quer dizer que “ser ágil” é igual a “não ter processos“?

Definitivamente, não! Toda e qualquer unidade precisa de um mínimo de procedimentos para entregar algum valor a quem quer que seja. O Scrum deixa esta parte para o time de desenvolvimento, que discute e define qual a melhor dinâmica para aquele sistema em específico.

Totalmente voltado ao Manifesto Ágil, o Scrum sugere que os projetos sejam divididos em iterações menores, chamadas de Sprints, onde, ao final de cada uma delas, seja entregue um software perfeitamente funcional. Tudo isso de forma incremental, ou seja, novas características vão sendo adicionadas ao produto e características anteriormente implementadas podem ser revistas e até mesmo completamente redesenhadas.

A “lista de desejos” do cliente é armazenada no que se chama de Product Backlog e deverá ser priorizada (pelo cliente) com base no valor agregado ao negócio. É através desta priorização que o time de desenvolvimento garante que, ao final da iteração será entregue um software perfeitamente funcional. Em outras metodologias a priorização é feita pelo time de desenvolvimento, em cascata com relação à dependência de funções. Desta forma, tais metodologias só conseguem um software que agregue valor ao negócio do cliente quando uma grande iteração, com diversas funcionalidades satélites, é concluída. Em alguns projetos, somente quando o mesmo é inteiramente concluído.

Então o Scrum e as metodologias ágeis desenvolvem software em menos tempo, ou seja, “ser ágil” é “ser mais rápido”?

Sim e não, ao mesmo tempo! Se você olhar para o projeto inteiro, ser ágil não é ser rápido. Mas, se você considerar que o Scrum está aberto a adaptações e mudanças de planos, aliado ao fato de que cada iteração entrega software potencialmente funcional, o cliente pode iniciar a utilização do produto em menos tempo, diminuindo o tempo do retorno do investimento. Além disso, é possível “sentir” a receptividade do produto e pode direcionar os esforços para o que é mais importante para a estratégia de negócio. Inclusive terminando o projeto antes do tempo determinado, se as necessidades forem todas atendidas.

Mas qual é a mágica? Como conseguir entregar um software em funcionamento em iterações menores e alinhado com o valor agregado ao negócio? Simples! Com uma boa dose de colaboração por parte do cliente. Este é, talvez, um dos maiores desafios do Scrum, visto que, muitas vezes, o cliente tem uma dinâmica própria e completamente diferente do fornecedor de software. Ou seja, geralmente o cliente não tem tempo de se dedicar ao projeto! Entendendo e se comprometendo com este ponto, facilmente a dinâmica do time prova que este “investimento” traz um retorno extremamente satisfatório para o projeto.

No próximo “Caderno Ágil” vou começar a falar mais detalhadamente de cada uma das fases do Scrum.

Até lá!

scrum_circle_en_big

 

Anúncios

Marcelo L. Barros

Olá! Sou um cara criativo, curioso e detalhista, que, cada dia, mais se vê interessado em desvendar os mistérios desse "bicho gente"! Comecei minha carreira profissional em 1996, sou formado em Processamento de Dados pela FATEC de Santos. Naquela época tudo o que eu queria ter na minha frente era um computador e uma desafiadora regra de negócio, que se transformaria no melhor programa possível. Mas as coisas mudam! Concluí que quem faz software com qualidade são as pessoas e não as máquinas. Hoje, minha MISSÃO é ajudar pessoas e times a alcançarem seus objetivos, pois acredito que o sucesso pessoal e profissional está ligado a três pilares: FELICIDADE, MOTIVAÇÃO e SENTIDO. Como faço isso? 💡 MOTIVANDO pessoas, fazendo-as enxergar o 💡 SENTIDO das suas ações, que traz 💡 FELICIDADE por fazerem a diferença em suas vidas, suas empresas. Sou formado em Coaching pelo ICC e escrevo artigos sobre Métodos Ágeis, Comportamento, Inovação e Coaching. Vejo no lúdico a forma mais profunda de aprendizado. Procuro sempre conduzir reuniões de forma criativa, que tragam algum tipo de aprendizado aos participantes, seja por meio de dinâmicas de grupo ou jogos em equipe. Neste quesito, desenvolvi um jogo, a "Feijoada Ágil", para ensinar conceitos sobre trabalho em equipe. Se você, como eu, também acredita que eu posso te ajudar, deixe-me saber! Vamos tomar um café e, quem sabe, juntos podemos MUDAR O MUNDO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s